Manauara

Clandestina

1992, Manaus Amazonas Brasil Esse nome não era meu.Esse corpo eu conquistei. Nascida em Manaus, filha de um casal de pastores  missionários, ainda pequena seguiu em missões, para o  interior do Amazonas com sua família. Desde cedo cantava na  igreja e ajudava na organização do teatro e outras expressões  que cabiam no culto evangélico pentencostal. No retorno a  Manaus, durante a adolescência, teve seu primeiro contato  comum grupo de teatro amador, na qual semeou a sede de  conhecer mais sobre performance. A vida clandestina a trouxe  até a maior capital do país, e, no meio de uma transição e da  necessidade de ser ouvida, nasce a Manauara Clandestina, como  uma performer da noite. Hoje ainda performa, tendo expandido  suas linguagens para além desse formato, desenvolvendo  de maneira transversal seu trabalho como artista.  Atualmente, além de sua pesquisa individual, se dedica  à direção de criação de projetos junto à estilista  Vicenta Perrotta, evocando diálogos que  

traçam novas perspectivas de vida travesti  

e questionando as condições das  

existências que as permeiam. que as permeam.